sexta-feira, 25 de março de 2011

Lançadas no papel (resultado da insônia)

Sou um pobre desgraçado, comedor de batatas de sorriso amarelo. O que posso produzir nos demais é pena, e como amar alguém cujo qual só sentimos pena? – ah! Você é uma gracinha! Com licença, deixe-me viver minha vida...

“And I love you, can you feel it now...?”. Não me importa quem seja! Eu também não sei, mas deixe-me te amar ao menos No Caminho de Casa.

Minhas costas doem, meus olhos já não mais se umedecem e fico feito tolo ainda buscando sentido, razões de infância.

Deitar na cama só e ouvir músicas tristes no rádio... Sim, eu entendo Van Gogh, eu entendo o Manfredini, eu entendo Raskólnikov de Dostoievski. Como encarar a realidade que nos cerca?

Vá às favas com os discursos, já que são apenas palavras lançadas no papel, fuga em noites de insônia. 

IMAGEM:  Os Comedores de Batata, Van Gogh - 1885
http://2.bp.blogspot.com/_ePjIFGip98A/SBNysZgfFJI/AAAAAAAAM1c/KoDAnzOHa50/s400/VanGogh+_Os+comedores+de+batatas+1885.png

Um comentário:

  1. Eu também já passei varias noites em insônia pensando nos "porquês" da vida me achando digno de pena, mas só são dignos de pena os de alma pequena.

    ResponderExcluir


Vai comentar?

Escreva algo construtivo, mostre que tem algo a contribuir!

Reclamações, dúvidas ou sugestões também são bem vindas...

Agradeço a colaboração